terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Eu caminho do silencio




Eu que não tenho certeza alguma
Que nasci ontem
E não trago a verdade no bolso
Nem uma língua afiada pela pedras e Pedros

Eu ... Não
Não pode ser eu
És tu
Que invade este futuro pela porta da frente

És tu ... leitor
De todas as cartas
Todas as palavras

Tu que me viste na esquina
E foste embora desapontado

Quando eu falo ...
O me parecer é necessário sempre
Quando tu falas ... não
Falas pelas bocas das palavras

Muito alem do superfalo e do necessário
É o que é pelos olhos dos outros

Eu que caminho nas sombras
Eu que não sei falar
Balbucio ignorâncias
Eu ... Pronome que não define nada

Gramaticalmente errado
Perdido nesta solidão
Neste lugar que tu não visitas
Eu ... Sujeito sem substancia

Objeto direto desta ignorância para com tudo
Eu que busquei ecos
Mirei alvos com uma eterna flecha parada
E vi Aquiles cair de joelho morto

E parece infinito esta força juvenil
Parece ... Este saber nato
De uma técnica que voa
Para não sei onde

Ontem estávamos contando cavalos
Sim cavalos
Cavalinhos e cavalões
Hoje nossos cavalos estão orbitando em marte

Mas ainda somos os mesmos
Eus ... indivisíveis entidades temporais
Alienados pela querência
Sedentos de uma liberdade que não existe

Eu que vi o mundo televisionado
Eu que vi as flores sem cheiros
As aves voarem na contramão
Em uma rua direita que dá em uma casa sem porta

Eu que sou aquele das qualidades
Mas não nasceu para isso
Eu que fui ontem o meu porem
E bati com os olhos na porta

Saltei no abismo como quem voa
Estiquei cada metro de uma linguagem imprecisa
Precipitações temporais deste pronome
Eu ... que vos falo deste silêncio

Não falo
Estico-me como que voa
Por entre um espaço-tempo
Que físico algum há de calcular

Porque Eu
Fui
Eu
Sou

Eu

Nexo imperfeito de minha existência

2 comentários:

Tiago Malta disse...

Excelente maninho!!!!!!!

Alan Figueiredo disse...

Vlw pela Força Thiago!