sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

A fala por traz dos olhos


Você vai tomar conta de minhas poesias?
Não sei
A paixão tem destas coisas inenarráveis
Espiral louco e necessário

Quando o tema sobrepujará a forma
Mais uma vez?
Não acredito que problema estético da arte
Envesou em meu poema de amor

Fez desta fala diária
Um soar mais leve e ordinário
Como se Pirro
Tivesse perdido a guerra

E perder ou não é tão irrelevante
Como as primeiras pinceladas do quadro
Aquele que fica escondido por traz de cores fortes
Do cotidiano ... irreparáveis

Ah! Mas o reparo que escorre do hiper-real
Neste realismo oculto
É só um filtro qualquer
De um aplicativo moderníssimo

Arte instantânea
Que mistura o velho do novo
Faz Paul Gauguin ser civilizado
E não fugir pra selva

Amor liquido tem destas cores
Que Van Gogh não ousaria pintar
E a Impressão fosse mero acaso nas bordas
Das cores pastéis de fotos inexprimíveis

Chega!!!

Com este eu lírico louco de erudição desmedida
Tu não fotografas o que há de simples no amor também
Rafael se orgulharia destas formas abauladas e etéreas
Linda paixão escorrendo pelos lisos vermelhos de seu cabelo

Falar com os olhos é como estar louco
Perceber os passos antes de caminhar
É saber do agradável para além do outro
Como se deus menino abandonasse Alberto Caeiro

E não fosse ele o defensor de todos os muros
Falar com os olhos é não saber sabendo
É como fazer um poema de amor
E o tema não fosse este

Aquele que fala com os olhos
Fala de dentro debruçado na janela
Não fecha o poema com chave de ouro
Porque representa a infinidade do instante

E como todos os versos acabados ou não tem seu fim
Falar dos olhos é volta ao esbranquiçado do quadro

Um Silencio na contemplação do amante

sábado, 30 de dezembro de 2017

Entre o Encanto e o Desencanto



Não interpreto mais o silencio
A fala já grudou em minha boca
E nossa costura ficou assim suspensa
Entre os desejos alterados por um sorriso mal dado

Mal interpretado

Se eu pudesse fugir dos clichês
Como uma presa foge de suas escolhas
Talvez pudesse ser sublime, mas não posso
Minha fala é reta e meus caminhos tortos

Ontem quando nos beijamos
Foi ontem ... eu sei
A possibilidade do encanto
Nos fez encontrar mais uma vez no desencanto

A expectativa faz dessas coisas
A borboleta não sabe onde vai pousar
Porque só voa pelas linhas do acaso
E nós olhamos assim desconfiado

Teimamos em querer nossos quereres
O ultimo o beijo é como a última fala
Ando na loucura
Porque meus pés caminham pela sanidade

É no desencontro que se vê na fresta do entendimento
Sua música para mim ainda é mistério
Não posso querer mais que isso
No abismo onde o vazio existe é onde quero pular

E pular não resolve nada como deveria ser

Poderia no ato final deste poema
Pedir perdão por esta carta não endereçada
Por estas inferências absurdamente reais
Mas a vida é nossa e de todo o mundo

E todo perdão é em vão

Se não tem o que perdoar  

sábado, 16 de dezembro de 2017

A alma do falar

 

Olhando bem funda na alma
Vasculhando o vazio e suas falas
Nasci assim entre o sonho e a necessidade
Falo baixo porque minha voz é muito

Voz rouca temperada na loucura
Esconde meus braços de pegar o mundo
E não saber usa-lo
Sou um tronco na cidade bolha

Apenas uma metáfora da fala e do não saber
Ignoro um sorriso ontem porque hoje não sei de nada
Meus pés caminham por estradas que não conheço
E toda tentativa de ser assim é uma desnecessidade de alma

Porque ser é desprovido do querer ser

As musas se foram e me deixaram com a solidão e a fala
Descobri que os pássaros acordam com a luz branca
E os espectros encarnado do sol nascendo
É o despertar do dia no fogo de Hórus

Mas isso também não importa
Quando a fala cai no ouvido da gente
Ela tem a força da natureza
Tal como Marco Polo não falava trivialidades

Conversar com os pássaros é um privilégio da loucura
Assustadoramente encantador
Terrivelmente belo
Beleza apreciada por poucos e almejado no dia a dia

Estou escolhendo meu caminhar
Porque meu Norte é todos os pontos cardeais
E a liberdade dos pássaros me ensina a voar
Ensina a acordar para luz do sol

Eu que entendo as coisas envesadas
Contorço minhas palavras na tentativa
De dar cabo ao sonho e sua loucura amena
De ir vivendo este cotidiano

E predicado alguma de falar deste sujeito ordinário
Porque o cotidiano é filho do Cronos
Neto de gaia com sua beleza simples
Ele é cinza encarnado de todas as cores

É o bêbado que se levanta na esquina
E cruza com a senhora que volta do sacolão
São as folhas no quintal de uma velha
E ela só limpa a passagem

O cotidiano é assim
Extraordinariamente belo para quem tem olhos
Encantador para quem tem ouvidos
Sublime para quem vive o agora

Para quem vive no amanhã ou no ontem
Ele é cinza ... uma passagem para não vida
Desperdício terrível de se estar querendo viver
e não vive
Mas falar dele é perde-lo
Tal como areia não mão
Quanto mais se quer falar
Menos se sabe

A fala nasceu para endireita-lo
E ele é o que é
Por isso na alma da fala

Há o desejo dos que ouvem de verdade

domingo, 12 de novembro de 2017

A fala e o nascimento da poesia





Ontem quando disse ser poeta
Me perguntaram assim despretensiosamente
O que é a poesia?
O que faz do poeta assim tão especial?

O lado obscuro do ser e ser poeta
Quando se explica não sabe
Quando se sabe não aprendeu direito
Nasce-se assim com as palavras meio envesadas

Ando há procurar razões ... Onde  razões não há
Faço versos inúteis porque não há utilidade na poesia
Nem caminhos necessários
Se aqueles versos te serviram não foi a intenção ultima

Se eles mudaram sua vida
Foi mera casualidade
Não culpe o poeta de buscar a poesia
São só palavras e pessoas

Ontem quando sai do silencio
E arrisquei meus primeiros passos na direção da fala
Não sabia quando nem onde
É o improviso da vida a falar por nossas bocas

Um eu a costurar expectativas no outro
Sempre a ponderar e depois agir
Mesmo que por impulsividade
O silencio é anterior a fala

E a poesia é meio onde isso tudo acontece
Um defronte do outro
Um a não entender o outro
Por ser ... Outro sua natureza

E quando me recolhi ao silencio
Ele me disse solene e utilitarista:
- Então envergas o discurso para não o enxergar
Ou envergas para muda-lo não se pode fugir desta dualidade

Não ... não posso
Mas posso falar do nascimento da poesia
Posso olhar o abismo e tirar do nada todas as possibilidades
Posso mergulhar em uma palavra e vive-la cotidianamente

Porque é entre o silencio e fala

Que nasceu a poesia

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Alma Linda




Um beijo querida Bianca
Que você continue sendo esta alma linda

Quando nos conhecemos
Ela me fez chaveirinho
E fui eu pendurado na vida
A não entender nada e buscando porquês

 Alma linda

Pés que sambam ... flutuam
Seus olhos têm qualquer coisa de mistério
Agitados olhos de quem busca
E sabe o que quer

Alma linda

Quando a pressão sobe
E não se esconde no rosto os desejos e desejosos
Incrível capacidade do mundo de não se curvar ante nossas querências
Ela olha para cima e faz do momento poesia

Convoca a todos os presentes
E nos explica sem palavras que o melhor da vida
É ser feliz para além do mundo e suas circunstancias
É ter ciência da perenidade da vida.

Alma Linda

Tu que faz do ato chorar
Um sorriso
Ou uma cara ... carão de mulher indomável
Nem viste meus olhos marejados de respeito e admiração

Alam Linda

Eu disse que lhe faria um poema
Se representou bem ou não aquela poesia que fizeste na vida
Não sei
Mas saibas que ganhou um amigo

E em chaveirinho poético

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Apenas um feriado





Ontem teve de tudo
Alegrias e tristezas escorreram pelo cotidiano
Ontem teve de tudo
A voz que foi morrendo e uma cantora emoldurando a noite fria

Ontem foram três dias
O tempo que foi passando
A vida vai correndo
Sempre ontem sempre poesia

Eu que nasci ontem
E sou tão velho quanto o universo
Eu que não sei nada
E tenho uma ansiedade de saber tudo

Barroco ... moderníssimo
Vazio de alma e repleto de soluções pra vida
Ontem reencontrei muito do que havia perdido
E vi que renascer não é tão difícil

Mas foi ontem que toda autoajuda morreu
Formulas tortas de vencer na vida
Minha história não pode ser a sua
Que cada pó cuide de sua poeira

Ontem vi olhos que riem para dentro
Uma raridade neste cotiando cinza
De almas vazias
Ontem me julgarão certo e sem poesia

Não há erros em pensar no futuro de ontem
Porque ontem foi e continuará sendo
Ontem vi a força e a vontade de viver
Discutindo trivialidades

Ontem ... quando dei por min
O feriado acabou
E fiquei reflexivo

A remoer coisas de ontem

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Poesia do Cotidiano


Preleção
Minha comemoração poética para entrada no olimpo virtual
Vulgo Facebook


  
Corro a vista na vida
E a poesia escorre do cotidiano
Cada esquina é um verso dobrando as ruas
Uma sujeira no pátio é um mundo a desabar em nossas cabeças

Eu que ando nas ruas como quem navega
Vejo olhos e rostos desatentos para o presente
Saudades eternas de um futuro desejado
Um agora vazio de almas

São só corpos do cotidiano
Como vos amo assim automáticos
Tal peça ... tal gente que sonha e vive
E se acha neste virtual engano de ser

Assim vai minha poesia do cotidiano
Solitário eu rodeado de gente
Ontem quando desci da janela de casa
Eu queria encontrar algo

Mas não sabia o que buscava
Meus olhos erravam de objetos
Eu não sabia ...
Que a busca em si era o que eu deveria querer

O resto morreu na memoria
Como aquele papo que tivemos ontem
Tão nosso que não pude desviar-me
E hoje não lembro de mais nada

É como se tivesse impresso em mim
Meus desejos e sua solidão
É como se você fosse eu ao avesso
Um exótico encontro virtual

Assim vai minha poesia do cotidiano
Tão cheio de mim mesmo
Que me perco no outro
Com a certeza de que ele sou eu

Ontem quando acordei poeta
E me disseram:
“Vai! ... Assim é que você não vai vencer na vida”
Nem sabia o que era vida ... E como poderei vencer então?

Corri ao dicionário
E só palavras escapavam dos verbetes
Como se soubessem tudo
Pelo sinônimo ... pelo Antônimo ... enfim sabiam o que era vida

E eu ... não

Procurei ... procurei e ainda procuro
Sei que ela não foi dicionarizada
Ela fica no muro que separa meus olhos
Dos teus

Ela fica nestas metáforas que amo
Costurar nas cestas de meu cotidiano
Ela fica entre meu querer e seus atos
Um pequeno desajuste ordinário do dia a dia

Assim vai minha poesia do cotidiano
Tão minha
Tão nossa

Tão de todo mundo

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Crise


Quando o silencio fala mais que as palavras
E a dor se transforma num alivio terrível
O mundo se torna cinza
E as pessoas descartáveis

Não nesta ordem é claro
Nem da mesma forma
Cada olho que cuide de seu cisco
Porque o silencio é a certeza da solidão eterna

E somos fogo tal como Heráclito dizia
Passageiro ... intenso
Breve momento no abismo do nada
E o universo tem mais vazio que matéria

Tem mais silêncios
Eu que nasci ontem
E sou tão velho quanto o universo inteiro
Sou um oceano de silencio com pequenas ilhas vulgares

Ah! Quanta preguiça
Minhas escolhas trasmudas em metáforas
Não!

Na verdade, meu amigo, se há verdade!
Estou onde não disse e meu silencio gritou
Desejo aquilo que não conheço
Pelo simples fato de não ser eu


segunda-feira, 8 de maio de 2017

Elegia a Sócrates




Sentado no caminho ele pensava
Queria por em versos
Mas não sabia nada
Sua mão o desobedecia

O nó que o impedia
Esta nas almas dos homens
Incertezas que dói para alem dos justos
E os versos e as rimas nunca foram solução

São relicários de um tiro no peito
No centro de seu próximo passo
E ele fala de si como se fosse do outro
Porque assim lhe parece mais puro

Utopias de um pé que caminha
Porque não sabe caminhar
E atire o primeiro olhar
Aquele que sabe onde pisa

Mestre ... tu que era o homem
Mais sábio da Grécia
Não sabia

No fim
São só palavras diante da vida
ou um querer viver
ou morrer quem sabe

Não sei
Teu silencio nos guia
Assim como as cordas
Que seguram tudo onde deveriam estar

E ele se levantou mais pesado
Mais velho
O caminho não era o mesmo
A vida não era a mesma

O certos estão felizes
Enquanto certos
As esquinas ainda dobram
E não estar certo ... talvez

Seja a única certeza

sexta-feira, 31 de março de 2017

A morte do Zé ninguém



Muitos estão chocados
Morreu o Zé ninguém

Ele que não podia ter ideias geniais
Ele que estava preso a propaganda
De refrigerantes enlatado de sua consciência
Ele que repetia opiniões porque não podia tê-las.

Ignorava porque aprendeu assim
Ontem é mais do que hoje
E você não tem o tipo
O tino para estrelar sua própria vida

Sigamos então
Coma
Beba
Compre

Ele que só é humano quando morre
Faça-me o favor de deixar
Herdeiros com sobrenome
Para lhe enterrar os ossos

Zé ninguém perdeu os sapatos
És um pouco menos do que tinha sido
Menos um
Menos dois

Menos ... mais um morto
Celebramos ao Zé ninguém
De lugar algum

E todos se espantaram com sua morte
Não pelo fato objetivo ou empatia é claro
É porque viram no espelho sua própria sorte
Zé ninguém morreu afetando os estômagos fracos

De roupa maneira
Zé ninguém mostrou para os que assistiam
Que ninguém é mais do que isso
Finalmente ele se igualou a todos

Zé ninguém!
Faça-me o favor de morrer sem muito alardes
Se possível ir ao caixão sem dar trabalho
Não suje a lindíssima avenida

Zé Ninguém!?

Todos que acreditam na vida
Não olham o coitado do Zé
Eles se olham espantados
Com a ânsia do vomito engasgado

Zé Ninguém morreu deixando um espanto geral
É porque eles acreditam que a base da vida é a diferença
É ser alguém

Mas eles não sabem Zé ... que somos todos Zé ninguém